Roupas de segunda mão - Parte 1

Meus próximos dois posts vão ser pra explicar pra você como compro de segunda mão. Te interessa? Então vem comigo.

Esse bichinho de comprar de segunda mão me pegou meio que sem querer, acho eu. Faz tanto, tanto tempo que uso roupas que já foram amadas por outras pessoas que já virou um hábito pra mim. Mas olhando pra trás tenho quase certeza que essa facilidade veio de uma necessidade mesmo. Quando pequena eu vivia ganhando roupas de outras pessoas e com a chegada de cada sacolinha, via uma nova possibilidade. Meus pais não podiam comprar as roupas e os sapatos que eu queria e me lembro bem da minha frustração ao ir nas lojas. Então ao ganhar roupas dos filhos de amigos deles ou dos meus primos, eu fazia uma enorme curadoria e, por isso, sempre lembro dessa época com muito carinho.

Então, sem mais delongas, vem aqui que vou te contar como - hoje - eu compro de segunda mão.

Brechós

Eu adoro um brechó. Às vezes é empoeirado, mas mesmo assim eu adoro entrar e buscar por roupas únicas. Acho que isso é o que na verdade mais me deixa feliz! Pra mim, o lance é achar aquela peça incrível que não tem mais na loja, sabe? Por outro lado, hoje já tem brechós bem legais e organizados - nem parecem brechós! Em São Paulo existem vários, tem até os chamados “brechós de luxo” - vejam só - onde você consegue encontrar itens de marcas mais consagradas por um valor mais camarada.

Então pra exemplificar e, também, vocês conseguirem enxergar um pouco melhor que tipo de roupa que se pode achar por lá, tirei algumas fotinhos.

Aqui, vejam só: essa minha camisa é da Farm e achei ela abandonada num canto do brechó. Que potencial, não? Além das cores serem da minha cartela, ela ainda tem um charme lindo na manga - que combina super com meu estilo.

O colete preto eu comprei num brechó online aqui do Reino Unido (tipo o enjoei do Brasil) porque estava querendo uma peça de alfaiataria pra trazer uma certa formalidade pros meus looks mais despojados.

Eu amo os dois itens com o mesmo amor que teria por uma peça novinha em folha, são xodós meus - de verdade.

Charity Shops

As Charity Shops são lojas administradas por organizações de ajuda humanitária (há variações, mas a maioria delas tem esse cunho) pra arrecadação de dinheiro. Pra ficar mais palpável, posso nomear uma pra vocês: a Cruz Vermelha. Na maioria das vezes vendem mercadorias usadas como roupas, livros, CDs e DVDs e mobiliário doados pelo público e, frequentemente, seus funcionários são voluntários. Essas lojinhas preciosas são encontradas em todos os cantos de Londres, só aqui no meu bairro tem três. E como todos os objetos são doados pelos moradores da região, tem coisa chegando toda hora, é uma loucura! Isso quer dizer, portanto, que se você passar duas vezes por dia na loja é possível encontrar algo novo.

Além disso, o perigo desses estabelecimentos (além de gastar dinheiro porque é tudo realmente muito barato) é deixar pra comprar depois uma vez que o que você viu naquela hora por não estar mais lá daqui a cinco minutos ;)

No Brasil essas lojas não são comuns, mas sei que em São Paulo tem a do Exército da Salvação. São chamados de bazares e eles até fazem desfiles das roupas de vez em quando, vale a pena dar uma olhada clicando aqui.

Pra terem uma ideia das belezuras que se pode achar em lugares assim, coloquei meu item mais amado na frente das câmeras: meu cardigan de paetês. Ele estava novinho e eu paguei muito barato, por volta de R$25.

Não é uma belezinha? Já anda sozinho!

Em breve eu volto pra contar pra vocês as duas outras maneiras que encontro pra comprar roupas usadas.

Um beijo e boa semana pra vocês!

Pati

Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
  • YouTube - Círculo Branco
  • Facebook - White Circle
  • Instagram - White Circle